Conecte-se conosco

Coluna Nova Petrópolis

A bandeira laranja dada a Nova Petrópolis

11/05/2020 - 10h26min

A divisão por regiões e bandeiras com cores apresentada pelo governo do Estado deu a Nova Petrópolis a cor laranja. Poderia ser mais brando (bandeira amarela) ou mais grave (bandeira vermelha ou preta). Na explicação técnica, o laranja quer dizer que temos “média capacidade do sistema de saúde e baixa propagação do vírus” ou “alta capacidade do sistema de saúde e média propagação do vírus”. Eu apostaria mais na primeira opção. Isso não se refere precisamente a Nova Petrópolis e sim à grande região de Caxias do Sul, que vai dos vales do Sinos e do Taquari até a divisa com Santa Catarina. Isoladamente, é certo que o município teria classificação melhor. O detalhe que nos puxa para a bandeira laranja é a capacidade hospitalar, na qual estamos ligados a Caxias do Sul, assim como dezenas de municípios do entorno.

CASO NOTÁVEL
São apenas seis exames do coronavírus realizados em Nova Petrópolis, todos negativos. Precisaríamos de mais exames para a população, com certeza. Mas esse número também mostra que só seis pacientes da cidade chegaram a esse estágio, de terem que se submeter ao exame. Fora isso, tem as pessoas com “síndrome gripal”, que ficam em casa e são monitoradas, pois podem ter a Covid-19 ou não. Esse número já esteve em 66 no dia 1o de abril e se estabilizou abaixo da casa das duas dezenas desde 23 de abril.

CUIDADOS EXTRAS
Os reiterados movimentos para a retomada da atividade econômica do município, até agora, não agravaram os números. Mas a retomada mais recente, a do turismo, exige cuidados extras. Mesmo com todos os cuidados e restrições, pessoas de outros lugares acabam entrando em contato com a população local. As abordagens feitas pela Prefeitura na entrada da cidade são um bom exemplo desses cuidados extras. Mas o principal deles é o monitoramento eficiente da presença do vírus no município. Fazer isso sem exames é bem mais difícil.

OS VEREADORES E A ÁGUA
Parece que hoje finalmente o gerente da Corsan, Sadi Zimmermann, irá à Câmara falar sobre a crise no abastecimento de água. Na segunda passada, quando o gerente era esperado, mas não foi, os vereadores subiram o tom das críticas. Vamos ver como será hoje. É a hora de se definir, de uma vez por todas, se a barragem Santa Isabel precisa de limpeza ou não. A sessão não pode terminar sem uma resposta definitiva com relação a isso. De resto, é preciso estabelecer um compromisso de investimentos para quando as chuvas se normalizarem. As estiagens voltarão a acontecer, mas as crises no abastecimento podem ser evitadas com planejamento e os devidos investimentos.

TRIPLO COMPROMISSO
A Corsan é um caso raro de empresa que tem triplo compromisso para conosco. Somos clientes que pagam a conta de água todos os meses. Portanto, há aí uma relação de consumo. Dois: a Corsan tem um contrato de concessão com a Prefeitura de Nova Petrópolis. Logo, nós também estamos envolvidos enquanto munícipes e exigimos tudo o que o contrato prevê. E por fim, somos contribuintes do Estado e, portanto, sócios da Corsan. Uma cidade como Nova Petrópolis ser abastecida com caminhões, para um sócio, é como rasgar dinheiro.

Por Francis Jonas Limberger
[email protected]
WhatsApp: (51) 99888-1830

LEIA OUTRAS COLUNAS RECENTES DE NOVA PETRÓPOLIS

Limpeza da barragem Santa Isabel precisa acontecer já

Incêndio na Pedra do Silêncio: eu sinto culpa

Vereadores levam “bolo” duas vezes da Corsan