Conecte-se conosco

 

Coluna Nova Petrópolis

As difíceis decisões que precisam ser tomadas em Nova Petrópolis

Por sugestão do vereador Daniel Michaelsen (MDB), a Câmara passará a se reunir duas vezes a mais nas próximas semanas para ler, debater e anotar dúvidas dos projetos de lei 79 e 80, que tratam dos resultados do Movimento Nova 2050. As reuniões extras acontecerão nas segundas e terças-feiras, das 18h até 19h30. Se houver necessidade, mais reuniões acontecerão em outros dias da semana. A lógica é a seguinte: os resultados do Nova 2050 não são dois projetos de lei quaisquer, como os vereadores estão habituados a votar. Na verdade, são dezenas de projetos e programas menores compilados nas mais de 500 páginas. Então a tramitação tem que ser mesmo muito mais aprofundada.

UM EXEMPLO

E aí já vem um exemplo: os estudos do Nova 2050 recomendam que o pedágio na estrada em direção a Gramado seja municipalizado. Isso não significa municipalizar a estrada, mas criar mecanismos legais para que todo o dinheiro do pedágio seja aplicado neste trecho. E estamos justamente num momento de estudos para a concessão das estradas da EGR, incluindo a ERS-235. Por isso, também por ideia de Daniel, será criado um grupo de trabalho para tratar do pedágio. Este grupo incluirá representantes do Nova 2050, da Prefeitura e da Câmara, para se antecipar às decisões do governo do Estado quanto ao edital de concessão da rodovia que corta Nova Petrópolis.

OUTRO EXEMPLO

Para colocar em prática as valiosas sugestões do Nova 2050, o planejamento deve ser iniciado desde já. Isso não é uma tarefa fácil. Por isso que a Câmara fará muito bem em dedicar tempo extra ao assunto. E, para dar outro exemplo disso, trago uma contribuição do grupo Urbe NP, que se reúne regularmente para tratar de assuntos de interesse da cidade. Como o Nova 2050 sugere a construção de uma estrada perimetral pelo lado leste da cidade, o Urbe NP entende que é preciso haver o cuidado desde já para a não urbanização aquela área. Do contrário, logo a perimetral terá problemas idênticos aos enfrentados atualmente no trecho urbano da 235. Sem esse cuidado, o problema só será transferido.

SEM RESPOSTA

Para ver como a tomada das próximas decisões será complexa. Logo representantes do município começarão a tratar dos termos do edital de concessão da ERS-235.Pedirão a tão sonhada duplicação do trecho urbano de Nova Petrópolis, ou não? Do ponto de vista da qualidade de vida, seria melhor que essa estrada não fosse duplicada. Melhor seria se suas margens recebessem espaçosas calçadas, espaço para trânsito de bicicletas, canteiros centrais e pequenos jardins, bancos, árvores, etc. O tráfego pesado que pede a duplicação seria plenamente solucionado pela perimetral leste, que hoje é uma esperança, mas não uma certeza. Por outro lado, se a duplicação da 235 não estiver prevista nesse próximo edital, cuja concessão durará décadas, dificilmente algum dia essa obra acontecerá. Neste sentido, se a perimetral leste não sair do papel, ficaremos sem nada. Definitivamente, essa não é uma decisão fácil.

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *