Conecte-se conosco

 

Coluna Nova Petrópolis

Nova Petrópolis: muita dissimulação para salvar a pele dos políticos na falta de água

A dissimulação muitas vezes ajuda a salvar a pele dos políticos. Vejamos o problema do abastecimento de água aqui em Nova Petrópolis. Desde dezembro, ou antes, se sabia que a barragem estava secando. Se limitaram a torcer por mais chuva. Nesta semana a situação chegou num ponto crítico, com a Corsan repetindo que não sabia por quantos dias ainda teria água para abastecer a cidade. A cidade se revoltou e os ouvidos dos políticos começaram a esquentar. Ontem finalmente foram anunciadas as tão esperadas medidas práticas para enfrentar o problema. E que bom. Mas aí vem a dissimulação, quando a administração municipal e a Corsan afirmam que não há previsão de racionamento em Nova Petrópolis. Claro! Com oito caminhões-pipa fazendo cinco viagens/dia com água de Gramado para cá, e ainda com a entrada em operação de mais três poços artesianos, certamente o risco de racionamento diminui bastante. Mas é importante deixar claro que tais medidas foram anunciadas só na tarde de quinta-feira. Até então, a população estava desesperada e, com toda razão.

EUFEMISMO

Ao mesmo tempo que se diz que não há previsão de racionamento, é dito que a Corsan está adotando “medidas técnicas” que diminuem a pressão da água e, por isso, ela não chega nas partes mais altas da cidade. Sei…

CAMINHÕES E POÇOS

O uso de caminhões-pipa para abastecer uma cidade como Nova Petrópolis não é motivo de festa. Cada viagem deles é uma pequena vergonha para a cidade, pois tudo poderia ser bem diferente. Mas é o que há para o momento e, melhor os caminhões-pipa do que a falta de água. Já os três poços que entrarão em funcionamento (São José do Caí, Linha Imperial e São Jacó) são bons exemplos de investimentos que deveriam ter sido efetivados há muito tempo. Porque correr tanto risco esperando até os 45 do segundo tempo?

UMA CAMPANHA DE VERDADE

Muito se fala em poupar água. E não há nada mais correto. Mas este é um campo muito amplo. Não tem sentido, por exemplo, derramarmos um bem tão precioso como a água potável para dar descarga no banheiro. Então há muito por ser feito, e inclusive por parte da Corsan. Este seria o momento de ela apresentar uma campanha de verdade, com descontos para quem diminuir a sua própria média de consumo. Quanto menos a pessoa gastar, maior é o desconto sobre o preço do metro cúbico nas próximas contas. Aí sim as pessoas vão poupar. Mas para isso a Corsan precisaria botar a mão no bolso e isso ela não gosta de fazer.

POUPAR ÁGUA

Outro incentivo que está caindo de maduro diz respeito ao reaproveitamento da água da chuva nos imóveis. Estamos praticamente zerados neste tipo de iniciativa. Lamentavelmente só lembrados disso na hora do aperto.

QUE SIRVA DE LIÇÃO

Mas vamos ser otimistas. A Corsan vai usar caminhões-pipa, os três poços vão reforçar bastante a oferta de água do sistema e a população vai fazer a sua parte, consumindo menos água. Daqui a pouco volta a chover regularmente. E Nova Petrópolis escapará do colapso da falta água. Otimismo! Tudo isso pode de fato acontecer. O que não pode acontecer, de novo, é nossas autoridades ignorarem a lição. Já passou da hora de enquadrar a Corsan. Ou, fatalmente, a história se repetirá.