Estreia do técnico no Beira Rio está marcada para 31 de outubro (Eduardo Deconto)

Apresentado oficialmente nesta terça-feira como treinador do clube até o final da temporada, Zé Ricardo terá 11 jogos para mostrar serviço, com objetivo prioritário de classificar o time para a Libertadores e sem a certeza de permanência na próxima temporada.

O discurso do treinador é diretamente ligado com o cenário contratual. Neste primeiro momento, a solução encontrada é temporária. O vínculo assinado não tem qualquer cláusula de renovação automática para 2020, tampouco multa rescisória. A situação não preocupa o treinador para o futuro. Pelo contrário, o empolga.

“Quando você escolhe ser treinador, sabe que a vida será marcada por desafios. É um grande desafio vestir a camisa do Inter. Tenho muita confiança no clube. São poucos treinadores que têm a oportunidade de vestir a camisa de um time multicampeão”, afirmou treinador. “Apoiados pela nossa torcida, temos tudo para conquistar o objetivo pelo que fui contratado, a vaga à Libertadores”.

Para Zé Ricardo, o mais importante é mostrar serviço e elevar o nível de atuações do Inter. Ao mesmo tempo, para ele, será uma chance de melhorar o próprio rendimento na temporada. Afinal, o clube gaúcho será o terceiro sob seu comando – teve passagem por Botafogo e Fortaleza, respectivamente, em 2019.

“Fui contratado para dar resultados nesses 11 jogos que faltam. Aceitei esse desafio porque aqui tem ótimos profissionais. Sei que não é fácil, mas temos suporte e camisa para alcançar nosso objetivo”, completou.

A estreia será no próximo sábado, diante do Bahia, fora de casa. Pela frente, o técnico ainda terá no horizonte o Atlhetico, clube que venceu o Inter na final da Copa do Brasil, e o clássico Gre-Nal. Uma série considerada difícil logo nos três primeiros jogos.

Créd. Globoesporte.com