Mulheres levaram cartazes para se manifestar na sessão (Crédito: Divulgação)

Nova Petrópolis – Alguns dias após a fala do vereador Claúdio Gottschalk (PDT) afirmar que “mulher que se presta não dá problema”, a declaração segue gerando repercussão. Após ser amplamente divulgada em todo o Estado e até fora do Rio Grande do Sul, as principais manifestações ocorreram por aqui.

Na noite de ontem, um grupo esteve na Câmara de vereadores para protestar. Com cartazes e palavras de ordem, as mulheres repudiavam a fala do vereador. As manifestantes foram apoiadas pela vereadora Katia Zummach (PSDB) – para quem a fala do colega foi destinada na noite da quinta-feira, 7.

Após a manifestação, a Câmara de vereadores publicou nota informando que abriu processo ético-disciplinar contra o parlamentar. A comissão de pareceres irá analisar e, então, divulgar o parecer final do ocorrido. A nota ainda afirma, em nome da presidência da casa, que a Câmara não concorda com as declarações e as chama de “infelizes e desrespeitosas”.

NOTA DE REPÚDIO

Quem também se manifestou sobre o ocorrido foi a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) – Subseção Nova Petrópolis e a Comissão da Mulher Advogada. Em nota no Facebook a Ordem afirma que repudia as declarações e lembra da importância de se debater a implementação de políticas públicas para acabar com a violência contra a mulher.

A nota ainda diz que não é aceitável que figuras públicas se manifestem dessa forma aos direitos fundamentais. “O momento é de reflexão para toda a sociedade e, para isto, é importante que todas as instituições estejam engajadas no combate efetivo a casos como este”, afirma a nota. “A luta por direitos iguais para todos os cidadãos, previstos na nossa Constituição Federal, é imprescindível e um dever de todos”, finaliza.

PSDB mulher também se manifestou

Em Nota o PSDB-Mulher (partido da vereador Kátia Zummach) se manifestou sobre as falas do colega. A nota assinada pela ex-governadora Yeda Crusius, presidente do PSDB Mulher, manifestou apoio a Kátia na iniciativa de instalar faixas no município com orientações e canais de denúncia contra a violência contra a mulher.

“Aproveitamos também para repudiar com veemência a reação machista do vereador Cláudio Gottschalk (PDT) diante da proposta da nossa companheira tucana, insinuando que esse tipo de violência não atinge “mulher decente” ou “que se preste” e que o estímulo às denúncias de violência ficaria “até feio” nas ruas do município”, mencionou.