Ele guarda com carinho todos os seus livros na estante da sala de estar. (Créd. Cleiton Zimer)

Dois Irmãos – Com apenas 12 anos, Patrick Feiten é um garoto que está na contramão da maioria dos adolescentes da sua idade e, de certa forma, da grande parte das pessoas. Mas nesse caso, estar na contramão significa que Patrick está inserido em um universo munido de valores ricos e sólidos, indo muito além do que é popularmente difundido na atualidade. Desde os primeiros anos de escola, ele vem nutrindo um enorme apreço pela leitura, e com o passar do tempo, se tornou um leitor voraz. Inspirado nessa paixão, foi adquirindo vários livros e, pouco a pouco, montando uma pequena biblioteca com mais de 200 livros na sala de estar de sua casa, que já foram todos lidos por ele.

 Inspiração

Cursando o 7º ano na escola 10 de Setembro, sempre teve muita facilidade nas redações, surpreendendo os professores e tirando nota máxima em quase todas. E isso tem um motivo, pois mesmo com toda a tecnologia a sua disposição, Patrick fez uma escolha e transformou os livros em seus fiéis companheiros do dia a dia, seja no intervalo da aula, depois das avaliações, durante o chimarrão com os pais e até mesmo quando vai visitar alguém. “Quando vamos para um almoço em família ou até mesmo para a Igreja, Patrick sempre leva um livro com ele”, comenta sua mãe, Célia Feiten.

E realmente, Patrick atribui uma grande importância à leitura, considerando ela como uma das principais ferramentas para o desenvolvimento da imaginação, da capacidade de argumentação e do fomento dos sonhos. “Eu acho que todo mundo deveria tentar o gosto pela leitura. Quem não lê, realmente não sabe o que está perdendo”, afirma o jovem, dizendo que lê, por dia, aproximadamente 50 páginas. “Eu leio de tudo, acho importante ler vários livros sobre diferentes assuntos. Mas gosto e me identifico mais com dois escritores. Um deles é o escritor Sir Arthur Conan Doyle, de Sherlock Holmes. E também J. K. Rowling, autora da série de romances Harry Potter”, ressalta.

Prioridade

Para onde quer que vá, o livro é a prioridade de Patrick. “Sempre participo das feiras de livros que tem na cidade e região, para ver quais as novidades. Mas geralmente, compro pela internet mesmo, pois é mais em conta”, destaca.

Inclusive, a família já está projetando um novo espaço para a biblioteca, com uma nova estrutura para poder guardar os exemplares. Assim, os pais contribuem para que ele sempre possa continuar e, também, crescer nesse caminho. “O compromisso da leitura surge dentro de casa, os pais e os responsáveis devem prezar por isso”, comenta a mãe.

Um sonho

Questionado sobre qual o seu maior sonho, Patrick prontamente afirma. “Sem dúvida, quero ser escritor, e de ficção científica”. E o sonho, não é só sonho, é uma meta traçada, que se exemplifica nas suas atitudes. A paixão dele pelos livros fica nítida através do cuidado, do manuseio, da forma como ele fala de cada exemplar da sua biblioteca, destacando trechos, personagens e falando com propriedade dos livros que já leu e, também, dos que já está planejando ler.

 “O livro em primeiro lugar”

Patrick com sua mãe, mostrando alguns dos livros que mais gosta de ler. (Créd. Cleiton Zimer)

 Célia não esconde o orgulho de ver o filho devorando livros, e diz que percebeu o gosto dele pela leitura quando ainda estava no segundo ano da escola. “Quando ele começou a formar palavras no colégio, notamos que pouco a pouco foi criando gosto pela leitura, começando pelos livros infantis, indo para gibis e a partir de então foi cada vez mais longe”, comenta.

Patrick é filho adotado, e sempre teve muito apoio e incentivo dos pais. “Nós apoiamos muito ele, para que sempre possa nutrir o seu gosto pela leitura. Eu leio, mas não muito, então ele não adquiriu esse gosto a partir de nós. Foi uma escolha única e exclusivamente dele. E o melhor de tudo, é que toda vez que ele pede algum presente, ele quer livros, sempre livros. Qual a criança que hoje em dia pede livros de presente? ”, diz a mãe, muito feliz com o empenho de Patrick.