Amor pelos animais motivou Daniela a cursar Medicina Veterinária (Créditos: Arquivo Pessoal)

Em 2013, Daniela Saul Friedrich fez concurso para Polícia Civil, onde um dos requisitos para ingressar na carreira era ter nível superior, o que ele já tinha como Médica Veterinária. Com dupla formação, hoje ela enfrenta dupla jornal. Trabalha nas duas profissões, como veterinária numa clínica de Ivoti e como Policial Civil em Estância Velha. “Não há mulher maior que qualquer uma, assim como não existe algum ser maior que qualquer mulher”, diz a profissional.

Daniela diz que não sente preconceito em nenhuma das suas profissões, mas relata que tem conhecimento de pessoas que sofreram preconceito nestas mesmas atividades por ser mulher. “Ser mulher hoje é estar plena e se sentir feliz com as escolhas que faz na vida”, declara. Ela inicialmente formou-se em medicina veterinária, há mais ou menos dez anos, e hoje divide-se entre uma e outra atividade. Conta que foi criada sempre na companhia de animais e que sempre teve cães, o que justifica sua dedicação à medicina veterinária. Por outro lado, sempre gostou de investigação e de ações policiais, o que a levou a atuar nas duas profissões. “Atuo muito na questão do crime de maus tratos contra animais no município, o que acaba unindo minhas duas profissões”, relata.

A profissional é natural de Novo Hamburgo, mas vive em Ivoti há quatro anos. Para ela, as mulheres de antigamente sofriam muito mais com o preconceito, principalmente no mercado de trabalho, onde se considerava que alguns cargos não poderiam ser ocupados por mulheres, pelo preconceito. De la pra cá, muita coisa mudou. “Ao longo do tempo a mulher vem conquistando seu espaço e na atualidade ocupa cargos profissionais importantes, o que era praticamente impossível a um tempo atrás”, aponta. Ela também diz que hoje nota-se maior aceitação da mulher em diversos ramos, que antes somente homens estavam inseridos.

Marco de uma história

De acordo com Daniela, hoje percebe-se o empoderamento da mulher através da força que ela vem ganhando nos últimos anos. “Liderança, igualdade de oportunidades, inclusão e não discriminação são fatores cada vez mais conquistados pelo público feminino”, aponta. Para ela, atributos femininos podem ser considerados como uma característica presente na feminilidade da mulher, sendo alguns deles a gentileza, sutileza, empatia e sensibilidade.

“O Dia Internacional da Mulher, para Daniela, é o marco de uma história onde ela luta por direitos igualitários perante os homens, e tem importância por suas conquistas ao longo dos anos”, avalia. Diz que não há mulher maior que qualquer uma, como não existe algum ser maior que qualquer mulher. “Se há justiça no mundo, ela se deve a todas as mulheres que do nada construíram o tudo”, destaca.

Daniela hoje trabalha em uma clínica veterinária em Ivoti e atua como policial civil em Estância Velha (Créditos: Arquivo Pessoal)