Padres Lydio e Jacó torcem para equipes rivais (Créditos: Felipe Faleiro)

Ivoti – Às vésperas do primeiro jogo da decisão do Campeonato Gaúcho, que ocorre no domingo, 14, é possível dizer que a rivalidade entre Inter e Grêmio pode sim se estender ao campo religioso.

Em um clima de amizade, os padres Jacó Wuaden, gremista, e Lydio Schneider, colorado, que atuam na Paróquia São Pedro Apóstolo, não escondem o gosto por seus clubes de coração. Schneider, de 81 anos, também monsenhor, completou meio século de ordenação em 2012, e na celebração, ganhou uma camiseta do Inter de amigos, com seu nome e o número 50.

Ele também conta que batizou Paulo Roberto Falcão Filho, Paulinho, o herdeiro de Falcão, ídolo colorado na década de 70. “O documento em que sou intitulado monsenhor veio inclusive com o nome ‘Inter'”, diverte-se Schneider com a coincidência.

Santa e bênção de ônibus

No lado azul, o padre Jacó vem de uma família de gremistas, e entre as histórias, conta que entregou uma imagem de Nossa Senhora da Conceição ao presidente do clube, Romildo Bolzan Jr., devoto da santa, no mesmo dia do título da Copa do Brasil de 2016.

“Ainda pude abençoar o novo ônibus do Grêmio”, afirma ele, contando do fato ocorrido neste ano. Jacó ainda exibe uma carteirinha do consulado eclesiástico, conquistada após a ordenação, há 13 anos.