Setor calçadista foi o com maior número de desligamentos no mês de julho. (Foto: Arquivo O Diário/ Imagem ilustrativa / Cândido Nascimento)

São José do Hortêncio – O Ministério do Trabalho divulgou, no último mês, os números de admissões e demissões de trabalhadores formais em todo o País durante o período de janeiro a julho deste ano. No município, 2019 foi o primeiro ano a fechar o semestre com saldo positivo desde 2016 (acompanhe a tabela). Contudo, quando observado o saldo do último mês analisado, o resultado é negativo. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), foram 6 admissões e 43 demissões em julho. Destes desligamentos, 19 foram com trabalhadores de confecção de calçados, 11 costuradores de calçados (à máquina), 3 preparadores de calçados e 10 de outras ocupações variadas.

 

Entretanto, os primeiros sete meses renderam mais admissões, 231, do que demissões, 171. Novamente o setor calçadista ficou nas primeiras posições, com a ocupação em confecção de calçados em primeiro lugar, com 104 contratações e 75 desligamentos. Em segundo foram os preparadores de calçados, com 25 admissões e 7 demissões durante o mesmo período. Se comparado com os mesmos meses do ano passado, o município apresentou crescimento: 152 contratações e 185 desligamentos em 2018 durante o mesmo período. Um crescimento de 51,97% no número de contratações. O valor positivo vai de encontro com a análise nacional realizada pelo Ministério do Trabalho, que apontou a criação de 461.411 vagas formais.

Se analisado mês a mês, os números caem nos meses de janeiro, menos 11, maio, menos 12, e julho, menos 37. Já o período mensal com maior saldo positivo foi fevereiro, com saldo de 62, seguido de março com 32 e junho com 15.

Administração Municipal

Procurado pela equipe de reportagem do Jornal O Diário, o prefeito Egídio Grohmann comentou os números apresentados. “Com relação ao número de demissões, isso tem ocorrido em qualquer município do Estado. Não estamos mais no auge do setor coureiro calçadista. As contratações e terceirizações de serviço têm variado de acordo com a quantidade de pedidos, e isso pode mudar de um semestre para o outro”, comenta. Já sobre o primeiro semestre positivo, Egídio diz que a Administração Municipal vibra com o fato. “Recebemos isso com bons olhos, mas este fato não depende apenas de ações e esforços da administração, é um sinal positivo de que aos poucos a economia mostra melhoras”.