(Créditos: divulgação/pf)

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira (21), a Operação Alforje, com objetivo de apurar desvios de recursos públicos relacionados ao convênio firmado entre a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), por meio da Superintendência de Infraestrutura (Suinfra), e a Fundação de Apoio à Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Faurgs).

O inquérito, instaurado em setembro de 2018, apura pagamentos com indicativo de irregularidades, em favor de beneficiários selecionados sem critérios técnicos e que, muitas vezes, já são vinculados à UFRGS ou à FAURGS.

O esquema também funcionava para complementar a renda dos servidores da Ufrgs investigados, através do recebimento das bolsas. Há casos de profissionais com formação diversa da área objeto do convênio, indicados como bolsistas do projeto.

Cerca de 40 agentes da Polícia Federal cumpriram 11 mandados de busca e apreensão em Porto Alegre, Viamão e Gravataí. A Justiça Federal determinou o afastamento cautelar de cinco servidores públicos e medidas de bloqueio de contas e de veículos de pessoas investigadas.

O convênio estabeleceu o repasse de R$ 11,4 milhões à FAURGS para elaboração conjunta de projetos nas áreas de engenharia e arquitetura, com vigência nos anos de 2015 a 2017.

A suspeita é que mais de uma centena de pessoas pode ter sido indevidamente favorecida pela aplicação irregular dos recursos do convênio. Os investigados poderão responder por crimes como peculato, falsidade ideológica e associação criminosa.