Ex-deputada Manuela D'Ávila 08/05/2018 (Foto: Ricardo Moraes/Reuters).

A Comissão de Segurança Pública da Câmara aprovou nesta terça-feira,13, um convite para que a ex-deputada Manuela D’Ávila (PCdoB), candidata a vice-presidente na chapa derrotada do petista Fernando Haddad ao Palácio do Planalto, esclareça o seu envolvimento com hackers que teriam tido acesso a supostas conversas de aplicativos de mensagens de autoridades dos Três Poderes.

Por se tratar de convite, Manuela não é obrigada a comparecer no colegiado da Câmara.

No requerimento, o deputado Capitão Augusto (PL-SP) disse que o depoimento do hacker Walter Delgatti Neto, no inquérito que investiga o hackeamento das mensagens, citou o fato de que Manuela foi responsável por intermediar o contato com o jornalista Glenn Greenwald, editor do The Intercept Brasil e autor de reportagens sobre o assunto.

As reportagens mostram supostas mensagens do hoje ministro da Justiça e Segurança Pública, o ex-juiz federal Sergio Moro, e procuradores da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, que indicaram uma cooperação entre eles. Para críticos essa cooperação seria indevida e pode levar a contestações de condenações determinadas por Moro.

O ministro e os procuradores não reconhecem a autenticidade das mensagens e também negam qualquer irregularidade nelas.

Fonte: Terra