Estância Velha – Os dois homens apontados como autores do assalto que terminou com a morte de pai e filho, donos da Ótica Elaine, são investigados por possível participação em assaltos a estabelecimentos comerciais no município de Teutônia, no Vale do Taquari, na região central do Estado. Um dos roubos aconteceu após o crime brutal ocorrido em Estância Velha.

Durante a entrevista coletiva realizada na última segunda-feira, para detalhar o resultado parcial da investigação que concluiu a participação de Davi dos Santos Mello, 20 anos, e Rafael Santos Domingues, 19 anos, no latrocínio, a Polícia Civil informou que o carro usado pela dupla para chegar e fugir de Estância Velha, também havia sido usado em um assalto em Teutônia.

O Honda City clonado e em ocorrência de roubo, que foi apreendido na rua Ceará, bairro Rincão, em Novo Hamburgo, logo após o latrocínio, também foi flagrado por câmeras de segurança de uma empresa do interior de Teutônia. Este crime aconteceu no dia 19 de março. Conforme a polícia, o assalto foi praticado por três bandidos. Eles fugiram do local levando em torno de R$ 3 mil, aparelhos celulares, entre outros objetos de valor.

O delegado Alex Assmann, titular da Delegacia de Teutônia, confirma que Davi e Rafael passaram a ser investigados pelos roubos no Vale do Taquari após serem identificados pelo crime praticado em Estância Velha. Contudo, conforme o delegado, ainda não é possível confirmar com precisão o envolvimento de ambos nos casos.

ROUBO SEMANA PASSADA

Na última quinta-feira, dia 18, um novo assalto a um estabelecimento comercial, em Teutônia, integra a polícia. Uma vítima aponta Davi dos Santos Mello, que foragido pelo latrocínio em Estância, como sendo uma dos possíveis criminosos. O crime, novamente cometido por três homens, aconteceu na Av. Um Oeste.De acordo com a Polícia Civil local, um dos assaltantes chegou a ser preso pela Brigada Militar e ainda falta identificar os outros dois elementos. O homem preso é da região de Frederico Westphalen, mas circulou pela região do Vale do Sinos recentemente. Embora a vítima aponte Davi como integrante da quadrilha, a polícia acha pouco provável seu envolvimento no caso, tendo em vista estar fugindo por conta do latrocínio.