Evento ocorre às 10 horas na Praça Concórdia, no Centro. (Créditos: Arquivo / O Diário

Ivoti – Bem vestido, o homem de cerca de 40 anos anda pela região da Praça Concórdia, indo em trabalhos e comércios, além de abordar pessoas na rua e até em ônibus, dizendo vender produtos por preços muito abaixo do normal. Oferece aos moradores supostos itens de estoque, como eletrodomésticos.

Afirma que é representante de lojas de departamentos, e que precisa liberá-los pela necessidade de a empresa realizar um balanço em razão de uma fiscalização da Receita Federal. Conversa vai e vem, ele convence as pessoas pela lábia. O homem, que na verdade está aplicando um golpe, pede um adiantamento em dinheiro e dá prazo para a entrega.

Conforme denúncias, ele diz que os produtos têm um ano de garantia, e entrega documentos falsos em nome destas lojas que afirma representar. Só que os produtos nunca chegam. Enquanto isso, o golpista já embolsou o dinheiro e procura uma nova vítima.

Em uma das conversas obtidas pelo Diário, golpista oferece refrigeradores e “brindes” a vítimas

Dispensado do emprego

Os golpes estariam ocorrendo no município há mais de um ano. Em um deles, o homem utilizou o nome de uma loja que tem uma filial na Avenida Presidente Lucena, no Centro de Ivoti, e da qual já foi empregado como vendedor por menos de um mês.

A gerente desta unidade, que não será identificada, disse ao Diário que o homem foi dispensado após ela saber que o golpista havia furtado objetos de outra loja que havia trabalhado, também em Ivoti, e que pertence a outra rede de magazines. Quando foi dispensado, o homem levou consigo diversos uniformes.

Após ter sido alertado de que seria feito um Boletim de Ocorrência contra ele, devolveu todos os acessórios, menos uma camiseta. Semanas mais tarde, foi visto em Novo Hamburgo com outra camisa, diferente da que estava faltando, mas que apresentava o logotipo da mesma empresa. “É possível que ele tenha mandado fazer a camiseta com a estampa”, comenta a gerente.

De acordo com ela, o jurídico da rede de lojas disse que a empresa não deve denunciá-lo, a menos que haja manifestação na polícia por parte das vítimas. A gerente também lamenta que muitas pessoas acabem procurando o homem na loja, querendo saber dos produtos não entregues. Quem foi lesado pelo homem ainda deve procurar a Delegacia de Polícia de Ivoti.

Vítimas perderam R$ 5 mil com produtos não entregues

A reportagem do Diário conversou com duas mulheres que se dizem vítimas do estelionatário. Ambas são de Ivoti. Elas estimam que perderam R$ 5 mil por produtos não entregues. Uma delas deixou de receber um smartphone. A outra, além do aparelho, também não recebeu um refrigerador.

Tudo começou em novembro de 2018, quando o homem fez contato via WhatsApp, oferecendo dois modelos de geladeiras. Segundo ele, ambas novas e lacradas. Na internet, um dos modelos apresentados custa por volta de R$ 2.400, e o outro, cerca de R$ 2.600.

Ele ofereceu cada uma por R$ 1.500 e ainda um “brinde”, que seria um forno micro-ondas, cafeteira, batedeira, liquidificador ou “alguma coisa que ela precisasse”. O homem ainda fez um “pacote”: por R$ 2.500, a vítima levaria a geladeira e mais um smartphone, ou o refrigerador e mais uma Smart TV. No comércio formal, os dois juntos saem por cerca de R$ 5.300.

Receosa, a mulher confessou ao homem que temia que os produtos pudessem não chegar. Ele respondeu dizendo que oferecia uma nota promissória, que poderia ser protestada no cartório caso houvesse problemas.

“Se desse uma zebra devolvo com muito juros (sic). Mas vem dentro do prazo combinado”, afirmou ele na conversa. Em outro trecho, diz: “Eu não posso falar pra quem mas já vendi pra muitos”. Ela fechou o negócio, pagando metade do valor combinado e recebeu o documento.

Ambas aguardam os produtos desde o final do ano passado. Segundo as vítimas, o homem já tem advogado constituído e promete diariamente realizar a entrega, geralmente para o dia ou a semana seguinte. Porém, até agora, tudo permanece apenas na esperança.