(Créditos: Cândido Nascimento)

Ivoti – O que deveria ser apenas uma rotina para quem trabalha no campo, por muito pouco não se transformou em um acidente trágico. Bem no Dia do Trabalhador, o produtor rural, Gabriel Antônio Berlitz, 53 anos, estava aplicando vacinas no gado, na Picada 48 Alta, quando levou um coice de um boi.

Gabriel aprendeu a vacinar com apenas 12 anos, com o irmão Egon Berlitz, que era vacinador profissional e até trabalhou para a Prefeitura. Ele possui cavalos, mulas e bois, e também planta eucalipto, aipim, feijão e milho.

O produtor entende que foi realmente um acidente de trabalho, pois já levou coices, mas não dessa forma.

“Desde os 12 anos eu domo cavalos e bois, e nunca passei por isso antes, foi como um tiro, cheguei a desmaiar. De um total de 10 bois, era o quarto animal que eu ia vacinar na propriedade do meu vizinho, Jorge Bervian. Depois que levantei, terminei por vacinar esse animal”, explicou inicialmente.

“Iria me abrir”

O fato ocorreu por volta das 10h30 de quarta-feira, dia 1º. O animal estava com a cabeça presa e era manso, mas conseguiu se dobrar e dar o coice, quebrando uma tábua e acertando a barriga do agricultor. “Iria me abrir se não tivesse acertado a pochete e o celular”, afirmou.

Ele disse que agradece a Deus por não ter sido ferido de maneira mais grave, e que o celular quebrou a tela, mas ainda funciona. “Eu sempre rezo e penso que Deus é grande”, afirma ele, que decidiu fazer um churrasco no dia seguinte ao fato, com amigos, para comemorar a sua vida.

Agradecimentos

Berlitz faz um agradecimento aos bombeiros de Ivoti. “Eram três rapazes que vieram e me acolheram com carinho, me atenderam super bem. Por esse motivo, quero agradecer o empenho deles e dar os parabéns”, falou o produtor.

Ele também agradece à equipe do hospital de Ivoti onde foi examinado. “O médico me receitou remédio para dor para tomar em casa, mas ainda sinto que dói”, comenta Berlitz, mostrando a marca logo abaixo do umbigo.

Como evitar o coice

Um coice de um animal forte como um boi ou cavalo pode ser fatal. Mesmo que seja manso, pode ser que ele fique bravo na hora da vacina.

Por isso é importante a proteção: amarrar o animal na altura da cabeça e até nos pés são atitudes que podem evitar um acidente. “São coisas que acontecem. É tudo muito rápido”, alerta Gabriel Berlitz.