Eloise foi detida por volta das 8h10 (Créditos: Felipe Faleiro)

Estância Velha – Um dos principais braços direitos da prefeita Ivete Grade na Secretaria de Saúde, Eloise Gernhardt, é a única política mantida presa pela Polícia Civil, após a operação realizada na última terça-feira em busca de documentos que ajudem a comprovar um esquema fraudulento entre a Secretaria de Saúde e a Clínica Previne, contratada pela Prefeitura para realizar exames de imagem.

A ex-secretária de Saúde (interina), conforme aponta a investigação, era o principal elo entre os sócios da Previne com integrantes da administração, e essa seria uma das razões que explicam sua manutenção na cadeia desde o dia da ação desencadeada pela Delegacia de Crimes contra a Administração Pública (Deat).

Entretanto, há outras questões que precisam ser esclarecidas de maneira mais convincentes pela investigada que motivam sua segregação há três dias.

A ex-secretária foi um dos alvos da Operação Anamnese, desencadeada pela Delegacia de Crimes contra a Administração Pública (Deat), que resultou na prisão de oito pessoas e no cumprimento de 10 mandados de busca e apreensão em seis municípios do Estado.

A investigação busca esclarecer um esquema fraudulento de pagamento de exames de imagens à Clínica Previne mesmo estes exames não tendo sido feitos pelos pacientes.

RECEITAS MÉDICAS

Durante o cumprimento dos mandados de busca e de prisão, os policiais localizaram e apreenderam com Eloise um bloco de receitas médicas assinadas e carimbadas por uma médica cubana, que trabalhou em Estância Velha até o final de 2018. As receitas estava em branco. “Ou seja, com estes documentos ela poderia fazer qualquer tipo de diagnóstico e receitar o que quisesse”, apontou o delegado Vinicios do Valle, que coordena a investigação em parceria com o delegado Max Otto Ritter.Em depoimento, Eloise não deu uma explicação convincente de como as receitas em branco foram parar em seu quarto, ainda mais já assinados pela profissional.

Quais os fins da mini-farmácia?

Ainda pesa contra a ex-secretária a confirmação de algo que a Polícia Civil havia diagnosticado ao longo dos oito meses de investigações: Eloise Gernhardt mantinha uma “mini-farmácia” em casa.

Conforme o delegado, dezenas de caixas fechadas de remédios foram apreendidos na casa dela. “Recolhemos dois sacos de medicamentos no local. São diversos tipos de fármacos, desde aqueles de uso controlado, que a legislação exige receita, até remédios de uso contínuo”, confirmou o delegado.

Segundo Vinicios do Valle, boa parte das caixas eram amostra grátis, que Eloise disse ter recebido de doação de uma clínica que fechou. “Temos que analisar essa questão com calma, mas ainda estamos focados na fraude dos exames”, explicou o delegado.

Contudo, ele garante que logo à frente a investigação irá retomar a esse caso para saber qual era a finalidade de Eloise em manter este tanto de remédios em casa. “Nos levanta a suspeita por quais fins: políticos?”, questiona o delegado.

Com o desenrolar da investigação, a Polícia Civil irá tentar desvendar se Eloise cometeu o crime de peculato ou até mesmo se os medicamentos não foram desviados da Secretaria de Saúde, onde ela atuou nos últimos anos como assessora executiva e, por último, como secretária interina.

Funcionários ouvidos

Como estratégia para fundamentar a investigação e construir um elemento probatório incontestável do esquema fraudulento que existia na Prefeitura de Estância Velha, a Polícia Civil está ouvindo diversas testemunhas.

Já no dia da operação, o delegado Max Otto Ritter avisou que havia identificado profissionais, concursados da Prefeitura, que se mostraram sabedores de ilícitos relacionados à investigação. Segundo ele, durante coletiva à imprensa, estes concursados são pessoas técnicas e, por isso, seriam chamadas para depor.

Ontem, pelo menos dois servidores públicos municipais foram ouvidos pela equipe de investigação da Delegacia de Crimes contra a Administração Pública (Deat).

Ambos ficaram por mais de três horas na sede do Deic, em Porto Alegre, e falaram o que sabiam do esquema e dos processos licitatórios vencidos pela Previne.