O Inter está “sem saída” com dois jogadores fora dos planos e com mais quatro meses de contrato com o clube. Camilo e Jonatan Alvez não têm propostas oficiais e a permanência em Porto Alegre não é o cenário ideal para nenhuma das partes.

“Eles fazem parte do grupo, estão treinando normalmente. Ainda temos uma vaga na inscrição e mais seis trocas até o dia 25. Vamos avaliar e quando acharmos que devemos inscrever, vamos inscrever”, disse o técnico Odair Hellmann.

Mas a realidade é que os testes se tornam menos frequentes com a aproximação do fim da primeira fase do Estadual. Ou seja, o andamento da competição deixa Alvez e Camilo cada vez com menores chances de atuar.

Sem inscrição até agora, a dupla aguardava propostas para deixar o clube. Mas nenhuma delas foi oficializada.

O meia de 32 anos, cujo vínculo vai até o fim de junho, recebeu sondagens de Botafogo e Santos. Mas os dois clubes acabaram fechando com outros alvos. Os cariocas contrataram Cícero, ex-Grêmio, e os paulistas fecharam com Cueva, que jogou no São Paulo. Não há nenhuma investida oficial no momento por ele, segundo apurou o UOL Esporte.

Já o centroavante uruguaio de 30 anos rejeitou mudar-se para o Peñarol, do Uruguai, e para o Barcelona de Guayaquil, do Equador. Ainda que não esteja jogando, o jogador considera melhor permanecer no Colorado até o fim de seu vínculo por empréstimo, em julho, do que sair para outra equipe.

“São jogadores que têm contrato até o meio do ano. Estão trabalhando bem e a gente tem tempo para inscrição. Vamos estudar caso a caso. Se a comissão entender que deva utilizar eles, não tem problema algum”, disse o vice de futebol Roberto Melo.

Além de ser complicado para os jogadores, que não estão em atividade, a permanência em Porto Alegre também é negativa para o Internacional, que se vê obrigado a arcar com o salário de ambos.

Pela pequena duração dos vínculos, rescisão ou empréstimo são as alternativas para qualquer negócio e a direção vermelha espera a apresentação de propostas para isso.