Conecte-se conosco

Polícia

Quem é a guarda de Novo Hamburgo presa em Estância Velha e por quais crimes foi condenada

Estância Velha – A guarda municipal hamburguense, presa na última sexta-feira no bairro Sol Nascente, é Jaqueline Barbosa de Oliveira, 47 anos. Ela trabalha desde 1992 na Guarda Municipal de Novo Hamburgo, mas, a partir de 2012, seu nome passou a ser alvo de investigações.

A prisão de Jaque, como era conhecida pelos colegas de farda, ocorreu em decorrência de um mandado de prisão expedido pela Justiça há mais de um ano. A prisão foi determinada por conta do trânsito em julgado de um processo que a agente respondia na Comarca de Montenegro por envolvimento com o tráfico de drogas e a remessa de celulares ao presídio de Montenegro.

Jaque gerenciava a remessa de drogas e celulares ao presídio, enquanto seu marido, o assaltante de banco Antônio Adelar de Oliveira, vulgo Inspetor, recebia o material na cadeia e os vendia a preço de ouro aos apenados. Os crimes aconteceram há sete anos, em janeiro de 2013.

Jaqueline de Oliveira foi condenada há quase 15 anos de reclusão, contudo, ela recorreu e conseguiu diminuir a pena para 13 anos.

Roubo a casa de juíza em Ivoti gerou investigação contra guarda presa em Estância

Estância Velha – A guarda municipal de Novo Hamburgo, presa na última sexta-feira em Estância Velha, entrou no radar da polícia no final de 2012, depois que uma quadrilha de roubos, liderada pelo assaltante Daniel Júnior Fagundes, vulgo Zé Gatão, assaltou a casa de uma juíza federal em Ivoti.

A guarda não teve participação no assalto, segundo a Polícia Federal, que investigou o caso. Contudo, durante a investigação do caso, os policiais identificaram dois números de telefones que circularam nas imediações da casa da magistrada no dia do assalto. Os telefones eram habilitados em nome do marido e do filho da agente hamburguense.

Com base nas escutas telefônicas destes dois números foi que a Polícia Federal passou a ouvir o envolvimento da guarda municipal no tráfico de drogas. Ela também organizava a remessa de aparelhos celulares para a Penitenciária de Montenegro, onde o marido, assaltante de banco, cumpre pena.

Prisão foi feita no Sol Nascente

A prisão da guarda foi realizada por soldados da Patrulha Tático Móvel, a Patamo, da Brigada Militar estanciense. Por volta das 17 horas de sexta (7), os policiais realizavam o patrulhamento pelo Sol Nascente quando passaram em frente a casa da acusada, na rua Novo Hamburgo, esquina com a Santa Rosa, e flagraram a agente em frente à residência.

Os policiais militares tinham conhecimento de que a acusada tinha um mandado de prisão e a abordaram. Ela confirmou que estava “pedida” e não reagiu. O mandado de prisão tinha validade até 2038, o que indica a gravidade do crime que cometeu. Ela foi conduzida à Delegacia de Pronto Atendimento (DPPA) de São Leopoldo, e após foi encaminhada ao presídio para o início do cumprimento da pena.