Conecte-se conosco

Colunistas

Ontem, mais quatro empresas confirmaram a compra de terrenos no Distrito Industrial, lá na divisa com Portão

13/02/2019 - 11h00min

Quatro empresas já consolidadas no mercado, duas com quase duas décadas em funcionamento, decidiram abandonar os municípios onde atuam para investir em Estância Velha. Isso é incrivelmente demais para o município, no aspecto econômico. É emprego e renda, é a diversificação da nossa economia e mão de obra, é a garantia da sobrevivência da nossa gente! Em contrapartida, é de uma imensa responsabilidade, especificamente do poder público, de fazer o que for possível e dentro do que a lei permite, para cativar esses investidores e consolidar essas empresas aqui. Não estou falando em dar regalias, para que fique bem claro! É preciso habilidade e bom senso, com a consciência de que um município não se faz só de lazer, mas também de trabalho.

AVANTE, ESTÂNCIA!

O que é satisfatório de ver, a partir do anúncio da vinda de mais quatro empresas para a área, é que o Distrito Industrial, que lá no início chegou a ter a viabilidade contestada por algumas pessoas, está se transformando naquilo que se imaginava: um polo de grandes e diversificadas indústrias. É verdade que tudo anda de modo arrastado, afinal, tudo começou no distante – talvez nem tanto assim – ano de 2010. Já estamos falando em quase uma década. Mas é preciso entender, ainda mais por estarmos tratando de poder público, que a tramitação de um empreendimento destes é mesmo demorado. O caminho ainda é longo pela frente, mas cada passo dado é um sentimento de vitória. Avante, Estância!

CANTINHO DA BENÇÃO

Até que enfim decidiram retirar as fotos do presidente, do governador e do prefeito que estavam enfeitando o saguão de entrada da Câmara de Vereadores. Pra quem não sabe, quem acessava o prédio do Legislativo se deparava com a fotos destas três figuras. Era quase um cantinho da benção, de adoração aos nossos ditado… digo, aos nossos governantes. Todos nós sabemos que os ditadores exigem serem reverenciados e, por isso, suas fotos estão espalhadas por todos os cantos da nação que comandam. Então, o cidadão que vive em um país comandado por um ditador, ao passar pelo retrato do dito cujo, precisa reverenciá-lo. Era mais ou menos assim que me sentia ao entrar na Câmara. Pronto, isso acabou! Devemos respeitar nossos governantes, mas sem essa de endeusá-los. Até porque estão no cargo facultados pelo voto popular com a única obrigação de nos servir. A verdade é que eles, os governantes/políticos eleitos é que devem reverenciar os cidadãos.

Antes, nesta parede, havia pendurado o retrato do presidente, do governador e do prefeito