Conecte-se conosco

Estado - País - Mundo

Pequim volta a conviver com o Covid-19 após 50 dias sem registrar casos

13/06/2020 - 13h51min

Principal mercado atacadista de Pequim foi fechado após novos casos da doença (Créd. AFP)

Pequim – Uma grande área da capital da China, Pequim, foi submetida a rigorosas medidas de bloqueio após os primeiros casos de coronavírus da cidade em mais de 50 dias. O surto foi associado ao maior mercado atacadista da cidade. Um total de 45 pessoas em 517 testadas no mercado de Xinfadi apresentaram resultado positivo para Covid-19, disse uma autoridade do distrito. Nenhum estava exibindo sintomas.

Foram aplicados bloqueios em 11 bairros próximos, enquanto 10.000 funcionários do mercado serão testados. As autoridades também querem testar todos os que tiveram contato recente com o mercado, bem como aqueles que vivem no distrito ao seu redor. Estes são os primeiros novos casos confirmados em Pequim há mais de 50 dias.

O mercado de Xinfadi, no distrito de Fengtai, no sudoeste da cidade, foi fechado nas primeiras horas de sábado, depois que dois homens que haviam visitado recentemente o mercado tinham o Covid-19. Testes no mercado mostraram que 45 pessoas tinham o vírus. “De acordo com o princípio de colocar a segurança das massas e da saúde em primeiro lugar, adotamos medidas de bloqueio para o mercado de Xinfadi e os bairros vizinhos”, disse Chu Junwei, funcionário do distrito, em entrevista.

Centenas de policiais militares entraram na instalação agora trancada. As ligações de transporte e escolas próximas foram fechadas. Do outro lado de Pequim, o esporte foi cancelado e as principais instalações públicas estão fechando as persianas novamente. Autoridades se preocupam com uma segunda onda do vírus na capital.

Primeira batalha vencida

O surto de coronavírus na China foi controlado sob algumas das medidas de bloqueio mais rigorosas do mundo, depois que a doença foi detectada na cidade de Wuhan. Mais de 4.600 pessoas na China perderam suas vidas para a doença em cerca de 426.000 em todo o mundo, de acordo com a Universidade Johns Hopkins.

As autoridades chinesas não sabem ao certo como o enorme mercado atacadista de Xinfandi – que fornece 80% dos legumes e carne de Pequim – se tornou a fonte de um novo surto de coronavírus. Nos últimos meses, a estratégia do governo chinês foi isolar completamente qualquer cidade ou local onde um um novo caso de coronavírus tenha surgido.