Cenas como essa, de prisões realizadas pela Guarda Municipal, viraram rotineira em Estância Velha (FOTO: GUARDA MUNICIPAL)

Estância Velha – A atuação da Guarda Municipal está em crescente destaque pela expressiva quantidade de prisões realizadas nos últimos meses.

Um levantamento feito pela corporação, a pedido do Diário, mostra que a Guarda nunca prendeu tanto como neste ano.

Somente nos dois últimos meses, foram 22 prisões de pessoas envolvidos em roubos, furtos qualificados, embriaguez ao volante, porte ilegal de arma, violência doméstica (Maria da Penha), posse de entorpecente e crimes contra o Meio Ambiente.

Somam-se a estes números outros casos que terminaram em registro na delegacia como apreensão/recuperação de veículo roubado/furtado, desobediência e ameaças, por exemplo.

Ao todo, nos meses de agosto e setembro, 36 ocorrências foram registradas pela Guarda Municipal. Neste mesmo período, a corporação fez 26 autuações por embriaguez somente durante as operações Balada Segura.

O que os números mostram é resultado de uma mudança de perfil da corporação. A “antiga” Guarda Municipal, que cumpria funções de zelar pelo patrimônio e cuidar do trânsito, imprimiu um novo ritmo e uma nova postura, e agora tem atuado de maneira equivalente aos demais órgãos de segurança que atuam no município, como a Brigada Militar e a Polícia Civil.

CONTROLE DE QUALIDADE
O principal “segredo” deste resultado está no modelo de atuação, que passa por uma tática operacional qualificada.

Através da análise dos indicadores criminais, a Guarda Municipal direcionado o efetivo para ações específicas que consistem em um conjunto de medidas, entre as quais, operações barreira e abordagens.

Entre agosto e setembro, os policiais da Guarda Municipal abordaram 1.291 pessoas e 625 veículos durante o trabalho ostensivo. Além disso, nas operações Balada Segura, foram abordados 266 motoristas.

A produtividade do trabalho desenvolvido pelos agentes, conforme o comandante, passa por uma avaliação, a cada 15 dias. É uma espécie de controle de qualidade da atuação dos profissionais.

Quando o resultado apresenta alguma discrepâncias, o comando age a fim de equalizar o problema. “Hoje, os policiais saem sabendo o que precisa ser feito. É serviço de qualidade”, afirmou Oliveira.

Não é por nada que em 2018, conforme apontamento do Mapa do Crime, plataforma que monitora os indicadores criminais de Estância Velha, houve a redução de 40% dos crimes no município.

Parte desta queda se deve, e muito, a participação da Guarda Municipal no policiamento efetivo da cidade.

80% segurança pública:
população demonstra confiança

Além de seguir cumprindo com suas obrigações de antigamente, a corporação passou a dar uma importante contribuição à segurança pública, especialmente no que diz respeito ao combate à criminalidade.

“Por uma questão de demanda e solicitação, já há algum tempo, 80% da atuação do nosso efetivo está focado no policiamento ostensivo, em ações preventivas de segurança pública. Os outros 20% estão voltados à questões relacionadas ao trânsito”, constatou o comandante da Guarda, Paulo Oliveira.

Segundo o comandante, o reflexo disso é o retorno positivo vindo das ruas, com a Guarda assumindo papel de protagonismo. “Observando nossa presença nas ruas e o resultado do nosso trabalho, a comunidade passou a nos procurar mais.

Isso, naturalmente, aumenta a confiança e o entusiasmo de nossos policiais. Logo, temos um melhor rendimento”, analisou Oliveira. Segundo o comandante, a Guarda Municipal, ao longo dos últimos anos, vem mostrando seu valor, o que reverteu em uma melhor convivência com o cidadão.

Em números
22 prisões
36 casos levados à DP
26 motoristas flagrados bêbados na Balada Segura
891 veículos abordados (patrulhamento + Balada Segura)
1.291 pessoas abordadas e identificadas