Policiais circularam entre o prédio onde mora o empresário sócio, a empresa Previne e os funcionários públicos (Crédito: Cândido Nascimento)

Estância Velha – Os quatro policiais responsáveis por prender um dos sócios principais da Previne, chegaram por volta das 6h50 desta sexta-feira. Eles ficaram cerca de uma hora no edifício onde o empresário está morando na Av. Presidente Vargas.

Esta foi apenas uma parte da ação conjunta de 60 policiais que atuam na Operação Anamnese, do DEIC, através da Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Administração Pública e Ordem Tributária (DEAT).

Além de Estância Velha e Dois Irmãos, as prisões estão sendo simultâneas em Novo Hamburgo, São Leopoldo, Mostardas e Pelotas. As acusações são de corrupção passiva e ativa, fraudes licitatórias e associação criminosa.

Ele se mudou recentemente de uma casa em Lomba Grande para o Centro de Estância Velha. Munidos do mandado de prisão, os quatro agentes vasculharam o apartamento do empresário em busca de documentos para embasar as investigações.

Pouco antes das oito da manhã, a equipe que utilizou duas viaturas Pálio discretas, saiu na porta do prédio com o empresário, que entrou rapidamente na viatura, enquanto os vários documentos apreendidos foram colocados em uma sacola.

QUAL É O ESQUEMA?

Trata-se da investigação sobre um esquema fraudulento, envolvendo servidores públicos e empresários ligados a Clínica Previne, empresa contratada pela Prefeitura para a realização de exames de imagem, como raio-x, ecografia, tomografia.

POR QUÊ ANAMNESE?

O nome da Operação Anamnese vem da junção de duas palavras: anamnese vem do grego ana, que é trazer de novo, e mnesis, que significa memória. A palavra tem relação com a medicina, pois trata-se da entrevista feita pelos médicos e profissionais da saúde com os pacientes antes um diagnóstico.