O aumento natural de todo final de ano está sendo mais “salgado” dessa vez (Cred. Cleiton Zimer)

Santa Maria do Herval/ Dois Irmãos – A carne na mesa dos consumidores ficou mais cara e, devido a lei da oferta e procura, empresários acreditam que esse ritmo acentuado deve se manter até março de 2020. “Esse mercado vai ficar ainda mais complicado. As expectativas para o boi ainda esse ano, virada do ano e, até março de 2020, é de muito aumento. Todos os indicadores apontam para isso”, comentou o gerente comercial do Frigorífico Boa Vista, de Santa Maria do Herval, Arilson Mendes Ferreira. “Se tem mais demanda, sobe o preço. É o que tange o comércio”, disse Mateus Pacheco Blauth, diretor do Mercado Unisuper Dois Irmãos. “Todo pedido de carne que está vindo, vem com reajuste. Somando todas as variações de preços e contando com as altas e as baixas, desde o dia 11 de novembro o valor do boi inteiro subiu 40,21%, frango inteiro 25,22% e suíno 25,39%, explicou Matheus. “Ainda teremos um agravante que será a demanda de final de ano”, destacou, afirmando que essa semana tende a ser um pouco mais tranquila em relação aos aumentos.

“O produtor vai vender para quem está pagando mais”
Matheus explica que, devido a Peste Africana de Suínos, a necessidade da China de importar carne do Brasil se tornou ainda mais aguda. “O produtor vai vender para quem está pagando mais. E como a China está pagando muito bem, com certeza, eles estão preferindo exportar do que vender no mercado interno. Além disso, quem paga melhor, seleciona melhor”, destaca, informando que recentemente “um frigorifico avisou que em um dia da semana não terá como fazer a entrega, por não ter conseguido adquirir matéria prima de acordo com a demanda”.

Clientes assustados
Os clientes, naturalmente, estão assustados. Arilson, do Frigorífico Boa Vista, destaca que muitos ainda não estão conseguindo repassar todo o aumento para o consumidor final. “Se repassar todo o aumento, automaticamente, o próprio consumo vai travar”, conclui.
Arilson destaca que a empresa mantém a política de pagamento a vista. “Com isso conseguimos negociar com os produtores um preço melhor. O frigorifico busca comprar cada dia melhor e vender por um preço condizente com o mercado. A política do Boa Vista hoje é, se é para vender com prejuízo, a gente prefere manter o boi em casa, não coloca mais para fora”, comenta.