Animal está a cerca de uma semana no local. (Créditos: Guilherme Sperafico)

Ivoti – Desde o último domingo (12), uma situação tem intrigado as autoridades no município. Uma vaca morta, ao lado da Ponte do Imperador, na Feitoria Nova, deixa uma situação de mistério: ninguém sabe quem é o dono do animal, como ele foi parar lá e nem como será retirado.

A vaca está em um local de difícil acesso. De acordo a secretária de Desenvolvimento, Denise Rodrigues da Silva, desde o domingo, data em que teve início o mau cheiro e que o animal foi localizado por moradores das proximidades, a Prefeitura tenta encontrar uma solução para remoção.

Não é possível o acesso a pé e a retroescavadeira não consegue chegar até lá. Nenhum dos criadores da região assumiu a responsabilidade sobre o animal. Mais do que a retirada, o mistério maior é como o animal de grande porte foi parar em um local de acesso tão remoto.

Para a chefe do Escritório da Inspetoria Veterinária de Ivoti, Drª Renata Marques, embora não seja um risco alto, há sim a possibilidade de o animal em decomposição causar algum impacto ambiental. Dependendo do motivo da morte, a vaca pode transmitir doenças para animais menores. Além disso, o próprio Arroio Feitoria, cujo o bovino está às margens, a cerca de 10 metros da água, pode ser contaminado.

Renata afirmou, também, que o animal deve ser enterrado em um local adequado para que esses riscos sejam esgotados, mas que o avançado estado de decomposição pode ser mais um fator que dificulta a remoção. Para ela, o ideal, nessa situação, era que a vaca fosse enterrada bem próximo de onde ela está.

A Ponte do Imperador está localizada sobre o Arroio Feitoria, no bairro Feitoria Nova. O local dá acesso ao Núcleo das Casas Enxaimel, que sempre recebe um bom público visitante, principalmente nos finais de semana. No último domingo, quando o mau cheiro começou a ser percebido, o Núcleo recebeu a primeira Feira Colonial do ano. Alguns dos cerca de 50 feirantes, que estavam mais perto do rio, já relatavam o incômodo com a situação e a preocupação de que, se não resolvida com brevidade, poderá atrapalhar o turismo local.

Local onde está a vaca é de difícil acesso. (Créditos: Guilherme Sperafico)