É a primeira vez que a caça é proibida na festa (Créd.: Divulgação)

Nova Petrópolis – Uma das principais atrações da 20ª Festa do Leitão, que será realizada neste domingo, 24, não ocorrerá. A tradicional Caça ao Leitão foi proibida na tarde desta sexta, 22, pelo Desembargador Carlos Roberto Lofego Caníbal.

O pedido de proibição partiu da ONG União Pela Vida – UPV, de Porto ALegre, contra o Município de Nova Petrópolis e a Associação Cultural e Esportiva Concórdia de Linha Imperial.

O pedido havia sido indeferido em primeira instância. A UPV, então, recorreu ao Tribunal de Justiça, que acatou a decisão. A medida liminar proibiu a atividade durante o evento, ou qualquer outra data, caso seja transferido.

Se a decisão for descumprida e a Caça for realizada, haverá uma multa de R$ 50 mil a cada vez que a atividade for realizada, além de configurar crime de desobediência por parte do Prefeito Municipal, Regis Luiz Hahn, o Lelo, e demais responsáveis pelo evento.

O Desembargador também determinou que seja expedido mandado de acompanhamento e fiscalização durante o evento. Em sua decisão, o magistrado entendeu que a atração configura crueldade contra os animais.

“Muito embora não seja objetivo da atividade submeter os animaizinhos a sofrimento, não se tem dúvidas de que o simples ato de persegui-los, caçando-os a qualquer preço, impondo-lhes agonia e pavor, por si só se caracteriza como de uma crueldade imensa”, disse.

A Caça ao Leitão não visa abater o animal, é uma corrida em que vence quem conseguir capturar primeiro o suíno. O vencedor fica com o leitão como prêmio. Sobre isso, Caníbal ressaltou que tal ato é cruel e serve apenas para o prazer dos competidores.

“Crueldade esta que lhes é imposta pelo homem pelo mero prazer, pelo orgulho de ser ‘aquele que conseguiu apanhar o leitão antes de todos’. Com isto, ocasionam ao pobre animal sofrimento gratuito – não apenas porque os agarram de qualquer forma, por qualquer parte do corpo […], mas também porque lhes causam sofrimento psíquico, aguçando seu instinto de fuga, de sobrevivência”, afirmou.