Conecte-se conosco

 

Destaques

Em família: filho de guarda municipal presa em Estância comanda o tráfico na ausência dos pais

Cerco a filho de guarda municipal gerou operação com apreensão de drogas e na prisão de três pessoas, em Ivoti, em setembro do ano passado (FOTO: ISAÍAS RHEINHEIMER)

Estância Velha/Ivoti – A rede criminosa envolvendo a guarda municipal hamburguense, Jaqueline Barbosa de Oliveira, 47 anos, presa na última sexta-feira, não se limita ao marido, um assaltante de banco contumaz. O filho do casal tomou o mesmo rumo e hoje figura na lista de procurados da Justiça pela Comarca de Ivoti. Com pai e a mãe presos, o filho de 21 anos assumiu a dianteira dos negócios da família com o tráfico de drogas.

O rapaz ficou incumbido de captar novos traficantes para aumentar o volume de vendas de entorpecentes e, consecutivamente, o faturamento da “firma”. Contudo, uma investigação da Polícia Civil de Ivoti, que teve participação da Brigada Militar, colocou um freio na atuação do criminoso.

Leia a reportagem completa na edição impressa do Diário desta quinta-feira.

Como polícia chegou ao filho da guarda

A investigação que gerou o pedido de prisão do rapaz de 21 anos iniciou após uma operação da Polícia Civil e da Brigada Militar no dia 27 de setembro do ano passado. Na ocasião, uma mulher de 35 anos e um homem de 23 foram presos, e um adolescente de 15 anos foi apreendido.

A mulher, vinda da cidade de Campo Bom, chegava a Ivoti com uma carga de cocaína, mas não contava que estava sendo monitorada por policiais. A droga seria entregue a dois traficantes da cidade, um deles preso na Av. Perimetral,  e outro apreendido na rua Pejuçara, no bairro União.

Os policiais apreenderam em torno de 108 gramas de cocaína – boa parte da droga já fracionada em petecas voltadas à venda – pertencente a facção Os Manos, oriunda de Novo Hamburgo/Campo Bom. Parte da droga foi apreendida em Ivoti e outra parte no depósito desta célula da organização criminosa, no município de Campo Bom. A quantidade de cocaína apreendida representa um prejuízo de, aproximadamente, R$ 5 mil aos traficantes.