(Foto: Imagem Ilustrativa / Rafael Petry)

Região – Treze anos após a criação da Lei Maria da Penha, o número de feminicídios, no Rio Grande do Sul, cresceu. E dez vez mais do que toda a média nacional. Os dados são do Anuário de Segurança Pública, divulgado esta semana. Entre 2017 e 2018, houve um crescimento de 4% nos casos registrados no País. Enquanto isso, no Estado, pelo mesmo período, o aumento de ocorrências chega em 40,5%.

Quando comparados os números com outros estados, em 2018, 117 casos foram registrados no Rio Grande do Sul. Perdendo apenas para São Paulo, com 136 e Minas Gerais, com 156. Contudo, quando os números apresentam situações de violência doméstica, foram 22.008 casos registrados no estado gaúcho. Comparados com 2017, 23.179, houve uma queda de 5,1%. Já com base nos dados fornecidos pela Secretaria Estadual de Segurança Pública, entre janeiro e julho deste ano, 12.010 casos de violência contra a mulher foram registrados. Nos 11 municípios de cobertura do Jornal O Diário, 84 ocorrências foram registradas no mesmo período.

Relatos

Moradora da Região, uma mulher de 56 anos procurou a equipe de reportagem para relatar a sua história. De acordo com ela, que não terá a identidade divulgada, o caso ocorreu no final de agosto. Ainda conforme o relato, ela foi agredida pelo companheiro, após ele ter bebido e ter tentado mexer no seu telefone. “Ele me jogou contra a parede, me bateu e me jogou no chão. Puxou meu braço, pisou em mim e machucou a minha barriga e minhas costelas”, conta.

Ainda conforme a vítima, o caso foi registrado na Delegacia de Nova Petrópolis. “O caso entrou na Maria da Penha e a polícia iria tomar os procedimentos necessários”, comenta. A reportagem do Diário entrou em contato com a Polícia de Nova Petrópolis, que não passou informações sobre o caso, pois a investigação ocorre em sigilo.

Leia a matéria completa na edição impressa do Jornal O Diário.