Câmara de Lindolfo ficou lotada na sessão desta semana (Créditos: Ana Veiga)

Lindolfo Collor – Um empréstimo de R$ 3 milhões para pavimentar ruas, consertar outras e reformar o Centrinho. Esse é o projeto principal do penúltimo ano do governo Wiliam Winck (PP). Para aprovar, o desafio é imenso: passar pela Câmara, na qual, a maioria dos vereadores é oposição.

Caso o prefeito consiga a aprovação, será uma propaganda e tanto para o próximo pleito. E os vereadores da oposição sabem disso. Eles já informaram que o projeto precisa de mais detalhes e sugeriram que o recurso de mais de R$ 900 mil não seja todo investido na reforma do Centrinho.

Nesta quarta-feira, prefeito e presidente Márcio Cardoso (MDB) estiveram frente a frente, na reunião do Poder Legislativo.

NA SESSÃO 

Os argumentos de ambos os lados são variados: no da administração, é usada a questão do desenvolvimento. Uma das cartadas do prefeito foi pedir apoio de empresários e entidades de Lindolfo. Na sessão, vários ofícios foram lidos de empresas como Madu e Minuano. Além disso, os CC’s (cargos de confiança), incluindo secretários e o próprio prefeito, estiveram na Câmara para acompanhar a reunião. Apesar da pressão, nada foi decidido.

Se o prefeito Wiliam optou por levar CC’s na sessão para pressionar, o presidente Márcio deu o troco: pediu que o advogado lesse um ofício em que o TCE (Tribunal de Contas do Estado) cita que a Prefeitura passou do limite legal do pagamento de pessoal, ou seja, está com excesso de funcionários. O prefeito acompanhou a leitura e não se manifestou, mas sabe que terá de demitir servidores ou corre o risco de ter que devolver 30% do salário como forma de punição.

COMO FICOU

Nem a sessão lotada fez com que o projeto fosse votado na quarta-feira. Oficialmente, ele foi protocolado no início desta semana. O presidente Márcio informou que as dúvidas dos legisladores serão encaminhadas para o Poder Executivo. Enquanto isso, o projeto fica sob análise.