A nova ferramenta de politicagem na Câmara de Vereadores de Nova Petrópolis

Na sessão de hoje a Câmara de Vereadores apreciará uma moção de repúdio “às mudanças que o governo do Estado do Rio Grande do Sul pretende fazer em relação aos professores, bem como no estatuto do servidor público e na previdência estadual”. A aprovação é certa, pois a moção tem autoria assinada pelos 11 vereadores. Vale lembrar que na sessão passada já foi aprovada por unanimidade uma moção parecida, em apoio aos servidores de Polícia Civil, cujo pessoal também está insatisfeito com a proposta do governo. As moções podem ser de repúdio ou de apoio, dependendo da causa. No “conjunto da obra”, elas são a nova ferramenta encontrada pelo Legislativo local para praticar a boa e velha politicagem.

POLITICAGEM

Como se sabe, na semana passada o governo estadual enviou aos deputados um pacote de reformas relacionado ao funcionalismo. Há quem diga que este pacote deveria ter sido apresentado há 20 anos, ou mais. Algumas classes, como os professores e os policiais civis, protestam e alegam que terão grandes prejuízos com as mudanças propostas. É um movimento legítimo e eu nem procuro entrar muito nos méritos, pois isso exigiria uma análise bastante profunda do projeto que tramita em Porto Alegre. É uma lógica que se aplica perfeita e necessariamente aos nossos vereadores. O que eu, eles e todo mundo sabe é que o Estado precisa de reformas urgentes para “sair da UTI”. Caso contrário quebrará de vez. De novo: não estou aqui defender essa ou aquela medida a ser aplicada ao Estado. Só quero que a Câmara de Vereadores não seja tão rasa nas bandeiras que levanta. Ao votar favoravelmente a essa moção que envolve o magistério, por exemplo, o vereador tem a obrigação moral de ir à tribuna e apresentar uma ideia alternativa viável, que agrade aos professores e que ajude a recuperar as finanças Estado. Estão desafiados, os 11! E o governador agradecerá!

DEMANDAS LOCAIS I

Provavelmente os vereadores ignorarão o desafio que eu lhes propus acima. É muito difícil imaginar a apresentação de alternativas na tribuna da Câmara quando a maioria dos vereadores sequer está a par do que trata o pacote de medidas apresentado semana passada pelo governador. É por isso que seria melhor se os edis parassem com a demagogia das moções dirigidas a Brasília e Porto Alegre e se concentrassem mais nos assuntos que, de fato, são pertinentes à esfera municipal.

DEMANDAS LOCAIS II

Ah, mas o colunista exigiu ação dos vereadores na rotatória do Pousada da Neve, e esse é um assunto estadual… Sim! Porque, na minha opinião, a Prefeitura estava se omitindo de suas responsabilidades quanto às calçadas. E é a Câmara de Vereadores que deve fiscalizar o Executivo municipal (em tudo!)!

SENHORES PROFESSORES

Senhores professores da rede estadual: a comunidade está e sempre estará ao lado de vocês! A comunidade de Nova Petrópolis tem conhecimento do bom trabalho realizado em nossas escolas, apesar das imensas dificuldades, e das vezes recentes em que não houve adesão a greves em consideração a alunos e pais, que seriam prejudicados. O que os vereadores querem é tirar uma foto do lado de vocês para postar no “Face”. Concentrem seus esforços em uma negociação razoável, que efetivamente traga resultados. E o principal: lembrem-se que a politicagem é o principal motivo do Estado estar assim.

A MOÇÃO DO VERÃO

Mantido o pensamento atual, se no próximo verão houver casos de dengue em Nova Petrópolis, a Câmara de Vereadores tende a apresentar uma moção de repúdio ao mosquito…