Leilão na garagem da secretaria de Obras

Como é de ordenamento na administração pública os bens que não são mais úteis ao serviço público devem ser colocados à disposição em leilão. É o que vai ocorrer dia 26 de abril, às 9h, na garagem da secretaria de Obras. São pneus, eletrônicos, móveis, eletrodomésticos, dois ônibus, dentre outros. Os interessados em participar do leilão devem estar 30 minutos antes do início para seu credenciamento munidos de seus documentos pessoais. Para quem deseja visualizar os itens o pode fazê-lo até um dia antes, das 8h às 11h30 e das 13h30 às 16h.

CONSELHO

O Conselho de Arquitetura e Urbanismo traz atendimento a Picada Café. Com o projeto CAU Mais Perto o Conselho de Arquitetura e Urbanismo estará na cidade com sua unidade móvel na próxima quarta-feira, dia 17, em frente à Prefeitura Municipal. O objetivo é oferecer aos arquitetos, urbanistas, empresas e sociedade em geral os mesmos serviços ofertados na sede em Porto Alegre. O atendimento em Picada Café será das 10h às 12h e das 13h às 15h30.

AMBULANTES

O sábado foi de ação dos ambulantes mais uma vez. Pelo menos dois vendedores de abacaxi passaram o dia na cidade, vendendo e oferecendo os produtos. Bom, este problema não é de hoje e causa prejuízo aos nossos comerciantes. Sim, eles reclamam, mas o problema persiste.

NÃO É DE HOJE

A falta de fiscalização é um problema de décadas. Nunca tivemos um governo que seguisse a risca a necessidade de ter gente para estes fins. Claro, em partes é para economizar com folha de pagamento. Afinal, contratar mais gente significa aumentar a folha. Mas é uma coisa que precisar ser feita, ou, pelo menos, planejada. O Município possui um fiscal, mas este não pode trabalhar 24h, 7 duas por semana, mês todo. Bom, um profissional temos, mas é pouco para conseguir averiguar todos os vendedores que chegam na cidade.

PARCERIA

Outra coisa que falta é parceria entre Poder Público e comerciantes. Nosso comércio é o mais prejudicado com a vinda de ambulantes. Muitos alegam que não sabem a quem recorrer quando ocorre a venda de casa em casa por pessoas que não pagam impostos. Já o poder público, além de não contar com fiscalização de rotina, ainda tem contra si o fato da maioria dos ambulantes agirem finais de semana. Bom, falta diálogo e ação conjunta de todos os setores.

LUCRO: O LIXO

Um dos comerciantes me mandou uma foto no final de semana. Nela ele mostra o lucro que fica para nossos mercados: o lixo deixado pelos ambulantes. Sim, eles simplesmente jogam o lixo junto ao mercado, tirando saro de quem paga imposto, dá emprego e renda. Acho que o poder público deve agir e evitar prejuízo ainda maior aos nossos comerciantes que já passam por dificuldades. Uma sugestão é ampliar a ação da Brigada Militar. Embora que não seja função dela, o simples fato de fiscalizar os vendedores e exigir o alvará sanitário faria com que deixassem a cidade. A não ser claro que eles paguem para vender, o que a lei prevê. Neste caso o Município estrá cumprindo a lei e faturando com o negócio.